Microsoft disponibiliza plataforma de cursos online gratuitos

cursos microsoft

A Microsoft disponibiliza uma plataforma de cursos online em português chamada Brazil Partner University. A ideia da empresa é fornecer aos seus parceiros no país treinamentos de negócios, das soluções da própria Microsoft e da plataforma Azure.

Os cursos são gratuitos e oferecidos por especialistas da empresa, mas também há opções desenvolvidas em parceria com a eClass, empresa de educação, que são pagas.

“Com a Brazil Partner University, ampliamos o alcance de capacitação ao nosso ecossistema de parceiros no país, preparando-os para nos apoiar na jornada de transformação digital junto aos nossos clientes”, afirma Juliana Tubino, diretora de desenvolvimento e negócios de parceiros da Microsoft Brasil.

Por enquanto, há 50 treinamentos disponíveis de graça, incluindo cursos nas áreas de Azure, Office 365, Windows e Dynamics 365, mas a Microsoft promete adicionar conteúdo todos os meses.

Como participar?

Para participar dos cursos disponíveis, basta preencher o cadastro, inscrever-se na plataforma e escolher de quais cursos participar. Para saber mais, clique aquiA Microsoft esclarece que “todos os cursos técnicos são gratuitos e apenas os da eClass são pagos”. A empresa explica ainda que “o campo MPN ID não é obrigatório para se registrar na plataforma, ele apenas concede descontos nos cursos da eClass para quem é parceiro Microsoft”.

Em caso de dúvidas, entre em contato com a empresa por meio deste e-mail.

Fonte: Olhar Digital

 

Velhos e caros: veja os computadores da Apple que você NÃO deveria comprar

3

A Apple é conhecida por vender produtos caros. É um fato: a empresa não se esforça para tornar seus computadores e celulares disponíveis por preços mais acessíveis como estratégia para manter-se como uma marca “de luxo”, capaz de extrair grandes margens de lucro de tudo que vende.

No entanto, essa estratégia fica estranha quando falamos de produtos antigos, como vários dos computadores que a Apple vende até hoje. Ninguém discute que os novos MacBooks Pro são excelentes notebooks; se o preço é mais alto que a média do mercado é outra história. O problema é quando computadores de três ou quatro anos atrás ainda estão mais caros do que bons notebooks lançados em 2017.

MacBook Air

Reprodução

Há alguns anos, o MacBook Air era um feito incrível de engenharia. Fino, potente, leve e bonito. Não precisava mais de muita coisa. Hoje, no entanto, ele simplesmente não se justifica mais, com vários notebooks de outras empresas e até mesmo da Apple com muito mais vantagens em termos de portabilidade e desempenho. Afinal de contas, ninguém merece pagar R$ 7.500 por um computador com um processador da Intel da 5ª geração (a empresa já está na 7ª) e resolução de tela abaixo do Full HD.

Se você quer algum produto da Apple com capacidades superiores às do MacBook Air, está aí o MacBook (sem sobrenome), que é ultraleve e muito mais potente. Ele é mais caro, sim, custando R$ 9.800, mas deve durar mais tempo. Agora, se você está disposto a dar uma olhadinha no que o ecossistema Windows tem a oferecer, opções não faltam. Existem alternativas excelentes de notebooks de marcas como Samsung, Asus, HP, Dell e Lenovo que superam em muito as capacidades do MacBook Air custando o mesmo ou menos. O XPS 13, da Dell, é um bom exemplo.

Mac Mini

Reprodução

O Mac Mini é um produto único. É um desktop extremamente pequeno e portátil que não ocupa espaço na mesa. No entanto, sua última atualização é de 2014, o que torna o seu preço mínimo de quase R$ 4.000 descolado da realidade do mercado. O Mac Mini tem um processador Intel de 4ª geração e 4 GB de memória RAM DDR3.

Pelo preço, é possível adquirir um bom notebook Windows com excelente desempenho e que já vem com uma tela; você também pode conectá-lo a um monitor externo por meio da porta HDMI, se prefere assim. Voltando ao exemplo da Dell: a empresa vende o notebook Inspiron 15, com processador Intel de 7ª geração, 8 GB de RAM DDR4 e 1 TB de armazenamento, por R$ 3.300, com uma placa de vídeo dedicada.

Mac Pro

Reprodução

O Mac Pro é outro exemplo de um computador que foi marcante no momento de seu lançamento. Com um design peculiar, ele concentrava o que havia de mais potente no momento, visando os usuários profissionais, que realizam tarefas como modelagem 3D e edição e renderização de vídeos. O problema é que ele não recebe uma atualização desde 2013, mas seu preço ainda é de tecnologia de 2017 (ou 2033), custando R$ 23,5 mil pela sua versão mais básica.

Pelo preço, você recebe um computador de 16 GB de memória RAM DDR3, duas placas de vídeo AMD FirePro D500 e um processador Intel Xeon E5 de seis núcleos. Não é, nem de longe, um computador ruim, mas quem está disposto a pagar o preço de um carro em um desktop merece coisa muito melhor. Com esse dinheiro, a melhor coisa a se fazer é montar um PC por conta própria. É possível importar um Intel Core i9, usar mais de uma placa de vídeo GTX 1080 Ti e fazer a festa com memória RAM DDR4 – e ainda sobra um bom dinheiro.

 Fonte: Olhar Digital

Apple, Google, Microsoft, Facebook, Uber e Netflix estão contratando no Brasil

2

Quer trabalhar em uma grande empresa de tecnologia sem sair do Brasil? Uma boa parte delas está com processo seletivo aberto para contratação em diversas áreas, com oportunidades para comunicação, marketing, RH, vendas e, claro, tecnologia.

Entre as gigantes que estão contratando no Brasil estão Apple, Microsoft, Facebook, Google, Netflix e Uber. Veja as vagas abaixo e como se candidatar:

Apple

A empresa do iPhone e dos Macs tem vagas abertas em várias cidades e regiões brasileiras, abrangendo áreas de vendas, marketing, finanças e engenharia de hardware, além de várias posições no varejo, para trabalhar nas lojas da empresa.

Você pode conferir as vagas e os requisitos neste link.

Google

A gigante de buscas tem uma atuação sólida no Brasil, e isso se reflete em uma série de oportunidades na empresa, embora todas elas estejam em São Paulo. As posições estão distribuídas entre a área jurídica, vendas e soluções técnicas.

Você pode conferir as oportunidades e exigências dos cargos neste link.

Uber

Com atuação em expansão para todo o Brasil, a Uber está contratando aos montes em várias cidades em vários níveis de atuação. Isso inclui atendimento, vendas, marketing, engenharia, financeiro, jurídico, entre outros.

Todas as posições com detalhes estão listadas neste link.

Facebook

A rede social está contratando em sua sede na cidade de São Paulo, incluindo para postos no setor de TI. As vagas também incluem setores de vendas, marketing, políticas públicas, entre outras.

Você pode ver a lista completa de vagas e seus requisitos neste link.

Netflix

A empresa tem algumas posições, todas voltadas para a cidade de São Paulo. Os cargos estão divididos entre a área de distribuição de conteúdo, financeiro, marketing e relações públicas.

A lista de posições abertas na Netflix pode ser conferida neste link.

 

Fonte: Olhar Digital

8 aplicativos infectados com vírus foram encontrados na Google Play Store

1

Os usuários do Android precisam ficar atentos. A PSafe identificou na última quinta-feira, 13, oito aplicativos maliciosos dentro da Google Play Store, sendo que mais de 120 mil smartphones podem ter sido infectados.

Os aplicativos suspeitos são Call Recorder, HDR Wallpapers, Girls HD, Girls Collection, Wallpapers HD+, SmartRingtones Lite, Light Booster Cleaner e QR Reader & Generator.

Segundo a empresa de segurança, o vírus permanece dormente até o celular ser reiniciado; é então ativado um código malicioso que, 15 minutos depois, começa a monitorar a existência de conexões Wi-Fi.

Com uma rede de internet, o vírus completa o ciclo de instalação e se conecta a um servidor remoto para receber comandos e fornecer informações do smartphone infectado, tal como modelo de aparelho e operadora de telefonia.

Após a infecção estar completa, o hacker consegue roubar o histórico de chamadas e mensagens SMS recebidas e enviadas, efetuar ligações, instalar novos aplicativos, além de ter acesso a comandos específicos para roubar fotos do usuário.

“Mesmo as lojas oficiais de aplicativos não estão 100% imunes à ação de hackers, podendo ser alvo de ataques. Por isso, é fundamental que o usuário esteja sempre atento às permissões de acesso que concede”, explica Emílio Simoni, gerente de segurança da PSafe. Além disso, é importante que o usuário tenha um antivírus instalado no smartphone.

 

Fonte: Olhar Digital